domingo, 20 de outubro de 2013

Resenha: E Se Fosse Verdade - Marc Levy

E se Fosse Verdade... é uma história repleta de romantismo e bom humor, ingredientes que cativaram Steven Spielberg, fazendo-o adquirir, por US$ 2 milhões, os direitos do livro para o cinema. Marc Levy viu seu romance de estreia se tornar um grande sucesso de bilheteria.
A história se passa em São Francisco, em julho de 1996. A jovem e bela Lauren, estudante de medicina, sofre um acidente de carro, entra em coma e vai parar no mesmo hospital onde trabalha. Apesar de seu estado, Lauren consegue, espiritualmente, voltar para o seu antigo apartamento. Lá, encontra Arthur, o arquiteto que é o novo morador do imóvel e a descobre no armário do banheiro ao ir tomar banho. Ele é a única pessoa que consegue vê-la, ouvi-la e senti-la.
Inicialmente se recusando a acreditar na história de Lauren, Arthur só fica convencido de toda a verdade quando vai até o hospital e a encontra desacordada. A partir daí, ele vai fazer o impossível para ajudá-la a voltar ao seu estado natural. (skoob)

Oi, Pessoas!!!

Para tudo porque nada pode preparar você para esse livro...rsrsrsrs Um pouco de drama só para causar impacto...rs Na verdade, você pode até ter uma leve noção de como é o livro se, como eu, tiver visto o filme antes de ler o livro... Eu sei... é triste, é chato e muitas vezes aborrecido conferir o filme antes. Porém, às vezes, acontece.
Vamos lá! 
Eu já resenhei o filme aqui e, como todo mundo sabe, eu ameeeeeei! *-*
Foi ótimo eu ter visto o filme antes, do contrário, eu teria ficado muito chateada com o filme ao invés de gostar tanto. Sério. É muito diferente do livro. Muito mesmo a começar pelos nomes dos protagonistas. Alguém pode me explicar qual o grande evento em se mudar o nome dos personagens?

Então, o livro conta a história do Arthur (David no filme) que é arquiteto bem sucedido, saído recentemente de uma relação meio conturbada, e que está de mudança para um novo apartamento. Acontece que no apartamento ele se encontra com o espírito de Lauren (Elizabeth no filme), uma médica residente que sofreu um acidente de carro e se encontra em coma há seis meses.

Todo o desenrolar da história é em função de Arthur ajudar Lauren a encontrar uma forma de sair do coma. E, nessa busca, muitas situações tristes e divertidas vão nortear as cenas com esses dois incríveis personagens. O problema é que eles não têm muito tempo. A mãe de Lauren ( que no filme era a irmã) foi orientada pelo corpo médico do hospital a desligar os aparelhos. Será que ela fará isso? Será que Arthur conseguirá impedir? 

O fato é que, no decorrer da trama,  os personagens vão se aproximando e se apaixonando. Conhecê-los é uma viagem sobre o significado da vida, da amizade e do amor. O que de fato é importante na vida? Você tem aproveitado o seu tempo com o que é valioso de verdade? O que você está disposto a por em risco em prol de uma grande amizade?

Devo dizer que o que eu mais queria na vida era ter um amigo como Paul. Alguém que estivesse ao meu lado para tudo e a qualquer tempo. A verdade é que as pessoas deturparam completamente o sentido do nome "amigo". Só consideram amigo aquele que tem algo a oferecer e não estou falando de apoio emocional, estou falando daquele que tem algo a oferecer financeiramente. Isso é muito triste... rs Perdoem a divagação mas não resisti. Voltando ao livro...rs
As cenas com o Paul são as melhores. Ainda bem que li o livro em casa, senão teria sido considerada maluca rindo em voz alta no "busu"... Boas risadas mesmo. 


O livro é divinamente bem escrito. Tanto que separei uma infinidade de trechos e frases que, obviamente, serão posts futuros... *-* Você se apaixona pelo jeito leve e mandão de Lauren ser, pelo jeito doce e profundo do Arthur ver a vida, pelo jeito louco e bem-humorado do melhor amigo e sócio, Paul (no filme era Jack e não era sócio, era psicanalista).

Todos os personagens são muitíssimo interessantes inclusive o Detetive Pilguez e a Nathalia. Aliás, até o cenário parece divo... fiquei louca para conhecer Carmell. 


Enfim... 
Acho que você terá uma alegria imensa ao conferir esse livro. Recomendo muitíssimo. 

P. S. A parte mais legal foi ficar vendo o rosto e a voz doce do Mark Ruffalo a cada fala do personagem Arthur... *-*

P. S.¹ Tem coisa mais legal que ter um personagem com o seu nome no livro? A mãe do Arthur, Liliana que ele carinhosamente chama de Lili *-* <3 Por falar nisso, que mulher incrível hein? Amei conhecer a Lili e o Antoine... Toda história de amor assim merece ser vivida intensamente... <3

Momento Arthur:
"Ele pediu que ela se colocasse no lugar dele. Se desse de cara, à meia-noite, com um sujeito escondido no armário do banheiro, meio agitado, tentando explicar que é uma espécie de fantasma em coma, o que acharia e qual seria a sua reação?" (Pág. 38)
Momento Lauren:
"- Vivo em absoluta solidão. Não imagina o que seja não poder falar com ninguém, ser totalmente transparente, não existir na vida de pessoa alguma." (Pág. 37)
Momento Paul:
"- Arthur, está em casa? Sei que está aí! Abra a porta, que diabo! Abra! - berrava Paul. - Se não abrir vou arrombar! 
Tudo em volta vibrou com a primeira ombrada.
- Droga, acho que quebrei a clavícula! Abre essa porcaria." (Pág. 221)
Hahahahahahaha... 

9 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Caaaara,
    To doida pra ler esse livro. Depois da resenha então...
    O Marc Levy tem um jeito mto bom de escrever. Lembro que vc falou que leu rapidinho e assim foi comigo também, lendo Tudo Aquilo que Nunca Foi Dito (recomendo, by the way... apesar de um pequeno absurdo q não compromete... hahaha).
    Vou botar na listinha (cara, diferente da minha conta bancária, essa lista não para de crescer. Hahaha)

    Ótima resenha, só me deixou com mais vontade ainda

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aline, eu sabia que você iria gostar. O Paul é a tua cara! hahahaha
      O livro é tão lindo... tão cheio de amor e cumplicidade... é impossível não se apaixonar...
      Conta bancária? Como não movimento ela, só saco uma vez por mês... a gente nem tem amizade... somos meramente conhecidas...Hahahahah...
      Beeeeeeeeeeijo

      Excluir
  3. Eu vi o filme e gostei. Agora, adicionei mais um livro à minha já enorme lista...rs.
    P.S.: Também quero visualizar o Mark Ruffalo enquanto leio o livro! hehehehehe... Ele é um fofo!!! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nandinha linda!
      O livro é um zilhão de vezes melhor... melhor mesmo! E o Mark com aqueles diálogos... *-* perfeito!

      Excluir
  4. Nunca tinha ouvido falar do filme nem do livro, mas vc fez uma resenha tão boa(como todas que vc faz) que me conquistou geral!!! Assistirei o filme e logo após lerei o livro, assim como vc fez Tel <3 E além de tudo, o filme é de Steven Spielberg(meu diretor favorito) e o nome do personagem principal é o mesmo que o meu! Quer dizer, não é todo dia que isso acontece né Tel? Post maravilhoso como sempre minha linda. Continue sempre postando e me desculpe pelos meus erros.

    OBS: Não Comentei o post de TWD, pois como havia dito antes(infelizmente) parei de assistir e então não sabia o que comentar. =/ prometo que tentarei consertar isso. BJO LINDA!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Arthur!

      Adorei o seu comentário! Amo vc, bro! Bjo

      Excluir
  5. ADOOOOORO o filme!!! Amo o Marc Ruffalo e acho a Resse muito fofa, o filme é lindo, engraçado, terno, rio e choro sempre que assisto. Mas não conhecia o livro, e agora claro que vou ler! O texto está maravilhoso, Lilly, muito bom mesmo, adorei!!! Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ci... sua linda!
      Que bom que você gostou. Acredite amiga, vc vai enlouquecer de amor pelo livro. É simplesmente DIVINO! O Arthur é o homem que toda mulher deseja. *-*
      Beeeeeeeeeeeijo

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...